sábado, 17 de janeiro de 2015

Fotografia de Montanha, Parte 1 - Equipamentos


Artigo publicado originalmente na Revista Blog de Escalada em 17 de dezembro de 2013.

Recentemente fui convidado para escrever uma série de três artigos sobre fotografia de montanha para o blogdescalada.com e resolvi começar falando de equipamentos. Apesar de não achar esse o tema mais relevante, acho oportuno começar falando de equipamentos para evitar que quem se interesse pelo assunto não faça maus investimentos. Equipamento fotográfico costuma ser caro e é importante não queimar nosso orçamento com aquisições ruins.

Aqui os links dos outros artigos desta série:

Fotografia de Montanha, Parte 2 - Regulagens Típicas

Fotografia de Montanha, Parte 3 - Planejamento

A Câmera


Aqui temos dois enfoques: Alguns montanhistas preferem ter boas câmeras compactas para ganhar em peso e mobilidade. Outros priorizam a qualidade e por conta disso tem que levar câmeras maiores, além de lentes e outros acessórios. Alguns, como eu, tem as duas coisas. Normalmente levo a compacta quando vou escalar ou pedalar, e levo o equipamento completo quando vou caminhar ou quando saio exclusivamente para fotografar.


Na categoria das compactas, esqueça as mais simples, chamadas de “point and shoot” e evite também as superzoom. Existem no mercado ótimas câmeras compactas, bastante robustas, com bons sensores e com recursos avançados. Por recursos avançados entenda a possibilidade de se fazer fotos no modo M (regulagem manual), gerar arquivos no formato RAW e ter muitos comandos à mão. Alguns bons exemplos são as câmeras Sony RX100, Canon G15, Nikon Coolpix A e Panasonic Lumix LX7.


A compacta avançada Canon G15

O segundo item do “kit leve” é um tripé compatível com a câmera. Tripé é um item fundamental em fotografia de montanha e paisagem em geral, e curiosamente é um item bastante negligenciado. O modelo MKC3-H01 da fabricante italiana Manfrotto é uma excelente opção para acompanhar uma compacta na mochila. É leve, compacto e tem cabeça de bola, o que permite rápidos ajustes.


Tripé Manfrotto MKC3-H01

Outro item bastante importante em fotografia de montanha é o filtro polarizador circular. Em geral essas câmeras não vem com rosca para encaixe de filtros, mas existem no mercado bons kits para adaptação. Um bom filtro polarizador circular é o Hoya Pro 1 Digital. Recomendo fortemente que não se economize na qualidade deste item.

Quando a qualidade máxima é o fator de decisão, a escolha passa a ser uma câmera D-SLR. Algumas pessoas chamam essas câmeras de profissionais, o que é um engano. O que faz uma câmera ser profissional tem mais relação com robustez e durabilidade do que propriamente o tipo da câmera. Não se espantem ao achar uma D-SLR de entrada bem mais frágil do que uma boa compacta avançada. É mais frágil mesmo!

Para quem está com o orçamento apertado o caminho é pegar uma Canon T4i ou uma Nikon D3200. Ou até uma câmera acima dessas usada. Essas câmeras não são tão robustas, mas tem ótimos sensores. Em se falando de qualidade da fotografia é isso que vai fazer a diferença.

Tendo um orçamento maior, já é possível pensar em pegar uma câmera realmente profissional, que são maiores, mais robustas e seladas, o que é uma segurança adicional quando se fotografa nas duras condições das montanhas. A desvantagem é que essas câmeras são mais pesadas.


Nikon D3200, uma boa D-SLR de entrada

Nota do autor em 17-01-2015: As câmeras mirrorles (sem espelho) vem se tornando uma excelente opção, pois são mais compactas do que as D-SLR e tem sensores e ótica equivalentes. As mirrorles são hoje uma opção a ser considerada seriamente pelos fotógrafos de montanha.

Lentes


A lente é um item bem mais importante do que a câmera. Infelizmente as câmeras D-SLR de entrada vem com as fracas “lentes do kit”, normalmente uma 18-55mm. Comece com ela, mas pense em comprar uma boa lente na medida em que adquirir mais conhecimento e algumas economias. 

Importante: muita gente tem um certo fetiche pelas “lentes rápidas” ou “lentes luminosas”. São lentes com grandes aberturas. Essas lentes são especialmente caras e muito uteis em alguns tipos de fotografia. Mas em fotografia de montanha é mais comum se usar pequenas aberturas, e com isso é possível economizar na compra da lente. Um bom set de lentes para montanha seria uma lente média, uma tele e uma angular, adquiridas nesta ordem. Tenha um parasol para cada lente.

Tripé


Aqui o tripé passa a ser um item bastante crítico. O equipamento mais pesado pede um tripé mais estável, mas a atividade de montanhismo pede um tripé leve e compacto. A solução dessa complicada equação costuma custar caro. O ideal é ter um bom tripé de fibra de carbono, material mais leve e mais rígido que o alumínio. Recentemente comprei um tripé Manfrotto 190CXPRO4, um tripé de fibra de carbono com 4 estágios. Montei nesse tripé uma cabeça Manfrotto 498RC2, de bola e com um disco panorâmico. Fechado cabe dentro da mochila e o peso é bem aceitável. Mas não foi barato. Um conjunto desses custa em torno de R$ 1.500,00. É possível gastar um pouco menos? Sim, usando um tripé de alumínio. É possível gastar BEM menos? Sim, mas com o tempo você vai descobrir que fez um mau negócio, como eu mesmo descobri recentemente. Considere que um bom tripé fará bastante diferença na qualidade das suas fotos.

Mais uma dica sobre tripé: Nem sob tortura compre um tripé com cabeça de três eixos. Em fotografia de montanha e natureza muitas vezes precisamos rapidamente montar o tripé e fazer um enquadramento. E fazer isso regulando um eixo de cada vez é incrivelmente irritante. Compre um tripé com cabeça de bola.


Cabela de bola Manfrotto 498RC2

Filtros


Polarizador Circular: Esse é o filtro mais importante em fotografia de montanha e deve ser o primeiro a ser adquirido. Polarizadores são usados para destacar as nuvens do céu e também para tirar reflexos de superfícies molhadas. São por isso muito úteis em fotos de paisagem e cachoeiras.


Parque Estadual dos Três Picos, foto feita com polarizador circular

Filtro ND: O filtro ND basicamente vai roubar luz da cena, permitindo fazer fotos com exposições mais longas. Bastante usado em fotos de mar ou cachoeira, ou até para borrar movimentos de nuvens.


Trindade, foto feita com filtro ND para transformar em névoa o movimento das ondas

Filtros graduados: Esses filtros são especialmente caros e seu papel é equilibrar a luz numa cena que tenha muito contraste. São montados num suporte giratório que permite o posicionamento da transição em qualquer posição da foto.


Anel, suporte e filtro graduado


Rio Tök e Monte Kukenan, foto feita com filtros graduados para equilibrar a luz do primeiro plano com o céu

Acessórios Importantes


Cabo disparador: permite fazer a foto sem contato com a câmera, eliminando vibrações. Pode ser substituído pelo timer de 2s que as câmeras costumam ter.

Bateria extra: na montanha é sempre importante ter uma.

Kit de limpeza: Para limpar as lentes, um soprador e um lenspen. Para limpar o LCD, paninhos de microfibra. Itens fáceis de encontrar em lojas especializadas.

Flash externo: É possível incrementar suas fotos de montanha dominando a técnica do flash de preenchimento. Não se preocupe com isso no início, mas depois de comprar seu kit básico de câmera – lentes – tripé – filtros, pense em adquirir um flash externo e em investir algum tempo de estudo.

Para saber mais sobre flash de preenchimento:


Nível de bolha: Existem no mercado pequenos níveis de bolha que encaixam na sapata de flash das câmeras. São itens bem baratos e muito uteis para evitar fotos com horizonte torto. 


Nível de bolha montado na sapata do flash

Mochila: Existem no mercado vários modelos de mochila para material fotográfico. Em geral esses modelos não são lá muito bons para montanhismo. Se você tem uma boa mochila de caminhada, compre pequenas cases para acomodar a câmera e os demais componentes. Eu em geral faço isso. É importante que a mochila tenha capa de chuva, ou que você compre uma capa avulsa.

É isso aí pessoal! Equipamento fotográfico não é barato, mas pode-se dizer que o equipamento típico de fotografia de montanha não é dos mais caros, comparando com outros tipos de fotografia. Investimento para ser feito aos poucos, junto com o investimento em conhecimento. O próximo artigo será sobre fotometria e as regulagens típicas usadas na fotografia de montanha. 

Leia o próximo artigo da série: Fotografia de Montanha, Parte 2 - Regulagens Típicas

Confira a programação do Workshop de Fotografia de Montanha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.