quarta-feira, 17 de setembro de 2014

A Noite da Super Lua no Morro Açu


A última super lua de 2014 seria na noite de segunda para terça feira, no início de setembro. Não tinha certeza se conseguiria adiantar as questões de trabalho para tirar dois dias para uma subida ao Açu, mas fiz minhas compras e deixei tudo meio engatilhado.

Fiz meus estudos no The Photographers Ephemeris e anotei as informações importantes:


Tarde de segunda feira:
  • Nascer da Lua Cheia: 17:28 a 94,0º
  • Por do Sol: 17:43 a 275,6º
(clique na imagem para ampliar)


Manhã de terça feira:
  • Nascer do Sol: 5:55 a 84,6º
  • Por da Lua Cheia: 6:02 a 268,7º
(clique na imagem para ampliar)


No domingo a noite resolvi realmente ir e comecei a arrumar a mochila. Acordei cedo na segunda feira e fui para a Sede do Bonfim do Parque Nacional da Serra dos Órgãos. Deixei o carro na Dona Maria e iniciei a caminhada às 8:50.

Com a trambolhada de fotografia a mochila fica sempre pesada, mas o tempo meio nublado deixou a caminhada bem agradável. A trilha estava bem aberta e com visíveis trabalhos de manutenção. Na longa subida do Queijo reparei a recuperação da mata que aos poucos vai deixando essa parte da trilha mais sombreada. Um alento aos montanhistas.

Passei batido pelo Queijo e continuei minha tocada morro acima. Estava subindo devagar mas em ritmo bem constante. Mais um tempo caminhando e cheguei no Ajax, onde finalmente baixei a mochila e fiz um lanche. 

Na subida da Isabeloca uma bela surpresa. Um trabalho de manutenção recuperou a subida original, mais suave e chegando no Marco do Chapadão. Nos próximos dias o trabalho será concluído com o fechamento dos atalhos.

O tempo começou a abrir. Fui caminhando pelo Chapadão e constatei também que muitos marcos foram refeitos, usando um tipo de cimento. O tempo começava a abrir e a tarde prometia.

Pouco antes das 14:00 horas cheguei no Açu, completando 5 horas de subida.


Pensei que estava sozinho, mas constatei que tinha pelo menos um grupo na área de camping e um outro grupo no abrigo. Montei minha barraca num pequeno platô por trás do mirante, um lugar isolado e tranquilo. Abasteci o cantil e fui preparar meu almoço: Miojo com sardinha e queijo ralado.

Barriga cheia... montei a mochila só com o equipamento de fotografia e fui caminhar. Fui para os lados do Chapadão para tentar encontrar um ponto para fotografar a lua cheia nascendo por trás dos Castelos do Açu. Mas exatamente no ponto onde a lua ia nascer estava nublado. Abortei essa ideia e voltei rapidamente para o cume do Açu.

Explorei um pouco o cume e encontrei um bonito arbusto com folhas avermelhadas na encosta voltada para o Vale do Bonfim. Neste local não teria visão para a lua, mas achei que valia a pena ficar ali. Fiz minha escolha: Abandonei a lua e fiz minha foto do por do sol.


Quando voltei para o acampamento a lua já estava alta e o contraste não permitia compor com outros elementos. Uma lua realmente linda, que vai ficar apenas na memória.

Voltei para o acampamento para planejar as fotos do amanhecer. A lua ia se por no oeste, numa região sem grandes atrativos de relevo. E eu queria fotografar a Serra dos Órgãos de uma crista no caminho do Pico do Eco, onde teria uma visão mais aberta dos picos. Mais uma vez decidi abandonar a lua e apostar no lado do sol.

Parti para uma rápida caminhada noturna para relembrar o início da trilha do Pico do Eco e depois voltei para preparar um chá no acampamento. A luz da lua era tão intensa que eu arrisquei uma longa exposição das montanhas iluminadas pelo luar. Esse acabou sendo o meu único registro (indireto) da super lua. Depois fiquei ali contemplando o silêncio e o visual...


Hora de dormir. Botei o despertador para as 4:45 e fui descansar.

Na terça feira o dia amanheceu bem limpo, sem nuvens. Me arrumei rapidamente e fui caminhando, ainda no escuro, até o ponto que eu tinha escolhido para fazer as fotos. A lua cheia já ia se escondendo por trás do Açu. Eu tinha feito minha escolha e me concentrei no lado do nascer do sol.

Depois de uma rápida caminhada cheguei num lajão e comecei a montar o equipamento. Com o céu sem nuvens as primeiras fotos ficaram sem graça e com muito contraste. Experimentei uma foto sem o céu no enquadramento e gostei bastante.


 Mas logo que o sol nasceu eu constatei que tinha uma camada de névoa na altura dos picos mais baixos. O sol frontal complicava tudo, mas eu consegui evitar o flare usando o timer de 10 segundos e indo para a frente da câmera para sombrear a lente com a mão. 



Dever cumprido, voltei para o acampamento para tomar um café da manhã e me preparar para o retorno. A descida, sob sol forte, foi mais sofrida. Não percebi na hora, mas estava ficando gripado.

Fechei minha aventura tomando umas cervejas e comendo a deliciosa comidinha feita no forno a lenha do Bar do Tourinho.


terça-feira, 12 de agosto de 2014

Esperando a Super Lua


Fazia tempo que não saia para fotografar a lua cheia. Em algumas oportunidades não pude ir, e em outras o mau tempo não deixou. Mas a lua de agosto seria a supermoon, a nossa "super lua".

"Em astronomia, chama-se superlua ou superlua cheia a ocasião na qual a lua cheia se situa a não mais de 10% do seu ponto mais próximo da Terra no percurso da sua órbita (o perigeu). Isto acontece devido à órbita lunar ser elíptica e o seu centro não coincidir com o centro da Terra. Nos referidos casos, por estar mais próxima da Terra, apresenta-se maior e mais brilhante que o normal" Fonte: Wikipédia

O tempo nem estava muito bom no sábado, mas com a previsão de melhora no domingo achei que valia a pena arriscar. Convidei alguns amigos e confirmaram presença o Flávio Varricchio, Isabelle Isnarriaga, Miguel Berredo, Fernando Brandão, Marcos Guimarães, e Karine Guimarães.

Dei uma estudada no The Photographers Ephemeris e vi que o Alto da Ventania seria uma boa escolha. A lua cheia nasceria um pouco a direita do Pico Maior de Magé.

(A linha do nascer da Lua é a azul clara - clique na imagem para ampliar)

Por do Sol: 17:34 a 286,4º
Nascer da Lua: 17:41 a 101,5º

Com esses dados fizemos nosso planejamento reverso:

Por do sol e nascer da lua: 17:30
Chegada no cume do Alto da Ventania: 17:00
Início da caminhada: 15:30
Encontro em Petrópolis: 15:00

Planejamento feito e seguido a risca, pouco antes das 17:00 horas estávamos no cume do Alto da Ventania escolhendo os enquadramentos e montando o equipamento. O tempo tinha melhorado. Era uma linda tarde de inverno.

(foto feita com a câmera do Iphone 4)

(foto de Isabelle Isnarriaga)

O sol se pôs, mas todo mundo estava virado pro leste onde a lua ia nascer. O vento aumentava a sensação de frio.

(foto de Miguel Berredo)

(foto de Marcos Guimarães)

Já era hora da lua nascer. O vento incomodava um pouco e tornava complicado fotografar com a teleobjetiva. Pendurei a mochila no tripé para ver se estabilizava um pouco.

Na hora prevista nada da lua aparecer. Ela estava escondida por traz de uma camada de nuvens na linha do horizonte. Mas mesmo sem lua o visual era muito bonito.


Quando a lua apareceu já estava um pouco alta, e já tínhamos perdido a luz ideal para equilibrar a luminosidade da lua com a da paisagem. Montei rapidamente um filtro graduado e consegui minha foto. 


Nossa super lua de 2014 foi difícil de fotografar, mas muito bonita de ver. Como terminamos as fotos bem tarde, acabamos não fazendo a tradicional foto do grupo. Fica para uma próxima. 

Ao final fizemos uma descida de montanha noturna sob a luz da super lua.


Garanta sua vaga na Oficina de Fotografia Serras de Petrópolis



terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Mais um amanhecer no Morro do Bonet


Depois da subida noturna ao Alto da Ventania para fotografar o nascer do sol, a turma cobrou uma nova aventura fotográfica. Discutimos um pouco onde ir e escolhemos o Morro do Bonet, com sua linda vista do Rio de Janeiro.

O sol ia nascer às 6:34, fizemos nosso planejamento:

4:00 - encontro em Petrópolis
5:00 - início da caminhada
5:50 - chegada ao cume e preparativos
6:04 - início da "hora mágica"

Dessa vez fomos eu, o Marcos Pinto, Camila Guerra, Thaísa Rocha, Miguel Berredo e Eduardo Gelli. Seguimos a risca nossa programação e chegamos no cume do Morro do Bonet com folga para preparar o equipamento.

A luz começou a "esquentar", e eu fiz um registro das luzes da nossa Cidade Imperial. Estava uma noite bem gostosa, com pouco vento e temperatura amena. Marcos e Camila começaram também a clicar e o Eduardo, Miguel e Thaísa ficaram curtindo o visual.


Era um amanhecer muito bonito de ver, mas faltavam nuvens para apimentar as fotos. Optei por montar a 70-200mm para buscar detalhes da paisagem do Rio e Baia da Guanabara.

Foto da Camila Guerra

A luz foi mudando rápido e eu fiz mais uns cliques



Ao final o nosso tradicional retrato da galera amanhecendo no cume de mais uma montanha.

Eduardo, Miguel, Thaísa, Marcos, Camila e eu

Após o nascer do sol fizemos um lanche (com café quentinho...) e iniciamos nosso retorno. É divertido fazer uma saída dessas e depois voltar para tomar café de domingo em casa...

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Petrópolis no The Travel World


Neste link:  http://www.thetravelword.com/2014/01/14/petropolis-brazil-history-nature/  um artigo em inglês sobre turismo em Petrópolis, publicado pela reporter Alexandra Brascombe. Fotos minhas e do fotógrafo petropolitano Flavio Varricchio.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Fotografando a Hora Mágica no Alto da Ventania


Em meados de 2013 eu acampei no cume do Alto da Ventania, montanha de 1.560m de altitude que fica na Serra da Estrela, Petrópolis. Fiz várias fotos do entardecer e do céu estrelado, mas não pude fotografar o nascer do sol, pois era final do outono e o sol estava nascendo por trás do maciço da Serra dos Órgãos. Ficou a vontade de voltar no verão para pegar o sol mais para a direita, na linha do horizonte.

O relato desse acampamento está neste link: http://amagiadamontanha.blogspot.com.br/2013/05/acampando-no-alto-da-ventania.html

Depois de um início de verão bastante chuvoso o tempo acabou firmando nesses primeiros dias de 2014. Fiz meus estudos no The Photographers Ephemeris e vi que o sol nasceria às 6:19 a 113,9º, conforme o mapa abaixo (a linha do nascer do sol é a amarela).

(Clique na imagem para ampliar)

Convidei uns amigos e a turma compareceu. Abaixo nosso planejamento reverso:

Nascer do sol: 6:19
Início da hora mágica: 5:40
Chegada ao cume: 5:15
Início da caminhada: 3:45
Encontro: 3:00

Assim no sábado a noite fui dormir com o despertador ajustado para 2:15 da madruga. Essa é a parte dolorosa dessas fotos de montanha...

Na madrugada acordei, passei um café e botei numa garrafa térmica. Peguei a tralha e parti para o ponto de encontro.

A turma foi pontual e todos estavam surpreendentemente animados. Estávamos nos encontrando para subir uma montanha enquanto a turma da noitada ainda se divertia. Cena curiosa, que eu até já me acostumei a ver. Arrumamos tudo e seguimos em dois carros para o bairro Caxambu.

Começamos a caminhar com nossas lanternas. Noite sem lua, tudo bem escuro, céu estrelado. Lá pela metade da subida começamos a ver raios bem distantes, a oeste. Mas na Serra da Estrela o tempo estava firme.

Chegamos no cume. Já dava para ver alguma claridade na direção onde o sol nasceria, mas ainda estava bem escuro. Nos agasalhamos, fizemos um lanche e começamos a montar os tripés. Poucos minutos depois já estávamos vendo as cores da hora mágica.


Pouco antes do sol nascer fizemos uma foto do grupo.


Felipe Barros, Camila Guerra, Marcos José Pinto, Miguel Berredo, José Renato Romão, Cida Romão e eu.

Logo em seguida o sol nasceu, o momento mágico que marca o início de um novo dia. O vento aumentou de intensidade e nós tentamos nos concentrar para fazer nossas fotos.


Na medida em que o sol ia subindo o frio ia ficando menos intenso. Aos poucos fomos arrumando nosso material para a volta. No finalzinho ainda fizemos alguns bonitos registros dessa manhã na montanha.




Garanta sua vaga na Oficina de Fotografia Serras de Petrópolis