quinta-feira, 2 de junho de 2016

Um Amanhecer nos Portais de Hércules

(clique na foto para ampliar)

O lugar conhecido como Portais de Hércules é talvez o mirante mais bonito da Serra dos Órgãos. Seu acesso é por trilha, a partir do Morro Açu. Não chega a ser uma caminhada longa, mas tem bons desníveis e uma trilha um pouco confusa. Muita gente vai aos Portais de dia. Mas para pegar a luz mais bonita da manhã é preciso madrugar no Açu e percorrer a trilha antes do amanhecer.

Recentemente tive uma ideia meio maluca. Queria subir leve, sem material de acampamento. Imaginei fazer uma subida noturna, direto da portaria até os Portais, fazer minhas fotos e retornar de dia. Pra completar estava com vontade de fazer uma boa trilha solitária.

Ideia na cabeça, faltava planejar...

(clique na foto para ampliar)

Dei uma olhada no The Photographers Ephemeris e vi que o sol nasceria na direção do Cabeça de Peixe, às 6:20. Parecia uma condição boa. Mas o tempo estava fechado, chuvoso. Seria uma aposta...

Com o limite de entrada no Parque Nacional da Serra dos Órgãos às 22:00 horas, calculei que chegaria no Açu por volta das 2:00 da madrugada, e depois nos Portais às 3:15. E assim ficaria esperando no frio e sem abrigo até o amanhecer. A solução seria caminhar bem devagar, mantendo o corpo aquecido durante toda da noite.

Decisão tomada, no dia da trilha preparei uma mochila média com equipamento fotográfico, agasalhos, um lanche mais reforçado e minha inseparável garrafa térmica com café quentinho. À noite jantei uma macarronada e parti para o Parque. Dei entrada às 21:30.

Como a ideia era enrolar, bati um longo papo com o Amilton Barcellos, amigo de longa data que trabalha na Portaria. Depois peguei a trilha caminhando devagar, mantendo a cadência. O passo era monótono, mas necessário. O Amilton já tinha me dito que eu pegaria muito vento e frio à partir do Chapadão.

A subida até o Ajax foi tranquila. A partir daí a coisa complicou um pouco, com vento, frio e névoa. Fazia tempo que eu não atravessava o Chapadão com névoa a noite, "lendo" o caminho na rocha. Fui devagar e cheguei no Açu por volta das 4:00 da madrugada, um bom horário. Abasteci o cantil e segui para a trilha da Travessia, ainda com muito vento e névoa. Mesmo caminhando estava bem frio.

A partir do Morro do Marco deixei a trilha da Travessia e comecei a descer para os Portais. E ai aconteceu uma daquelas mágicas que fazem nosso esforço valer à pena - quanto mais descia, mais saia da nuvem, Logo percebi que pegaria tempo aberto nos Portais. A aposta tinha valido à pena!

Cheguei nos Portais por volta de 5:10, ainda bem escuro. A beirada onde planejava fotografar estava bem perigosa devido ao vento. Nem imaginava ficar em pé ali. Ainda tinha uma meia hora para pensar no que fazer...

Botei todos os casacos que tinha, tomei um café quetinho e me deitei na própria calha da trilha para me abrigar do vento gelado. Ajustei o despertador para 5:40 e tirei uma soneca de meia horinha. Quanto acordei já sabia o que fazer - montei o tripé baixo e fui me arrastando sentado até a borda do abismo. Consegui meu enquadramento, mas tinha que ficar segurando o tripé pois o vento ameaçava jogar tudo pra baixo.

O dia começou a clarear... e eu estava lá, sozinho, nos Portais de Hércules... O visual era incrível e, depois de muita foto tremida eu consegui uma boa.


Com o amanhecer as cores foram embora. O sol nasceu, me aqueceu um pouco e depois sumiu nas nuvens. Tomei um bom café da manhã e me preparei para iniciar o longo retorno. Fiz um último registro e parti pra trilha.


O frio e vento eram tão intensos que eu fiz toda a trilha até o Açu e depois até o Ajax com todos os casacos que eu tinha. No Açu achei engraçado ver todo mundo acordando tarde e reclamando do tempo nublado. Fotografia de montanha não é para os preguiçosos...

Do Ajax para baixo deixei as nuvens e vento para traz. Botei a casacada na mochila e desci curtindo o visual. Estava com sono, mas bem disposto. O sucesso dessa subida leve e noturna na Serra dos Órgãos me animou para outros projetos. Aguardem...

Conheça o Workshop de Fotografia de Montanha