segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

A Soma de Todos os Medos

Essa trabalhosa conquista começou em fins de 2005 e terminou em agosto de 2006. Tudo começou em meados de 2005, quando eu, Alex Chê e Motta (Alexandre Motta) fomos repetir uma conquista recente no Cantagalo Menor, a linda via "Impermanência de Todas as Formas". Na volta esticamos até perto da base do Cantagalo (o maior, da foto acima) e o Motta disse "Vamos conquistar uma via nessa parede". Nas primeiras investidas participaram o Alex, Motta, Renatinho (Renato Walter) e o Matheus Reis. Depois de uma enfiada em agarrência e outra numa grande horizontal seguindo um friso, os conquistadores encontraram o "file" da via, uma inacreditável linha de agarrões e platôs que subia em diagonal para a direita. "O caminho da pedra".

A partir da quarta investida, já em 2006, eu passei a fazer parte do grupo e nós fomos ganhando altura, sempre seguindo a linha de agarras que garantia um traçado lindo e até relativamente fácil. O inverno veio chegando e o trabalho de conquistar cada vez mais alto, sempre de marreta e punho, ia ficando sofrido. Mas a beleza da via, já com alguns trechos em móvel, ia nos motivando a seguir em frente.

Em fins de junho o Fernandes, velho parceiro de conquistas dos Alex, voltou a morar em Petrópolis e se juntou ao grupo. Com isso a conquista acelerou e logo venceu a 12ª enfiada, que marcou o fim da linha de agarras. Depois de 10 enfiadas seguindo uma linha natural, tínhamos pela frente a arrancada final, com trechos que pareciam ser mais delicados. A imensa parede toda encordada e o esforço de levar material para cima eram um verdadeiro desafio. Mais uma investida do Alex e Fernandes, terminando por vencer um trecho em artificial, e a via chegou no final da 14ª enfiada.

Mas, enfim, avaliamos a situação e marcamos a investida final. Com uma furadeira emprestada a idéia era levar material suficiente e terminar a via de qualquer jeito. O dia escolhido foi uma quarta feira. Era o dia que o Alex e o Fernandes podiam e eu tive que faltar o trabalho. Preparamos tudo de véspera e a idéia seria eu e o Alex levarmos a maior parte do material pesado e o Fernandes subir mais leve para conquistar as enfiadas finais. Isso ele fazia questão.

O resumo da história é que nos encontramos às 2:00 da madrugada do dia 16 de agosto de 2006, e às 3:00 já estávamos jumareando a longa sequência de cordas deixadas na via. Foram mais de 600m de subida que levaram umas 7:00 extenuantes horas. Mas às 10:00 da manhã, num dia muito bonito, estávamos em P14 nos preparando para a investida final. Nesse dia conquistamos as duas enfiadas finais da via e comemoramos o fim de uma conquista que contou com 12 investidas. A descida foi especialmente complicada, pois tínhamos que tirar centenas de metros de cordas da parede; jornada que durou umas 6 horas. Já na base, caminhando a noite pela curta trilha até o carro, cheguei a apagar algumas vezes com hipoglicemia. Comemoramos exaustos com caldo de cana.

A Soma de Todos os Medos: D4 5º VI+ A0 E3 840 metros de extensão
Conquistadores: Alex, Motta, Fernandes, Waldyr, Renatinho e Matheus
Apoio: Zecão (apoio numa investida para fixar cordas e duplicar paradas) e Adriano Ted (que nos emprestou a furadeira)

Na foto acima estão os escaladores petropolitanos Marcel e Marquinhos, numa das primeiras repetições da via. Eles estão seguindo a linha de agarras num dos trechos mais bonitos - a 8ª enfiada, que tem algumas passadas em móvel.

A mesma foto, com menos zoom. Dá para ter a noção de como a parede é grande.

Sem zoom. Acima a parede toda vista do local onde se deixa o carro. A 8ª enfiada, onde estão o Marcel e o Marquinhos, está em destaque. Dá para ter uma boa noção do tamanho da parede.


Nas fotos acima estão o Alex (conquistando) e o Motta (dando seg). São fotos do início da conquista, tiradas pelo Erik, um simpático morador do condomínio.

A foto acima, também tirada pelo Erik, acabou registrando um momento histórico. Com um super zoom o Erik acabou fotografando os momentos finais da conquista. O Fernandes estava batalhando os últimos lances, onde quase tomou uma queda que nos deixaria em uma situação bem complicada. Eu e Alex estávamos aguardando em P15.

Outro registro do dia da conquista. O Alex estava saindo de P14 e bateu uma foto minha. A parede que aparece ao fundo é a do Cantagalo Menor.

Acima o Fernandes abrindo a 15ª enfiada.

Já na volta, o Alex abrindo os rapeis. Visual a 800m de altura.
E aí está o croquis, para os interessados em repetir a via (clicar para ampliar). Deve-se ter especial atenção durante a subida para ir pensando nos rapeis, pois tem trechos complicados em horizontal e diagonal. Como a via faz cume, é possível também descer pela trilha.

7 comentários:

  1. Onde fica esta montanha?

    ResponderExcluir
  2. Nossa que pedra bonita! Realmente da pra ter uma noção melhor das "16" enfiadas e contando com o rapel vamos ter que escalar muito rápido. Bom vamos pensar bem na investida..... Mas é um desafio interessante pra mim :)
    ´Brigada pelas dicas!

    ResponderExcluir
  3. Tentamos a via neste sábado (15/09). Via sensacional, linda, mas bem difícil em nossa opinião. Até a 5 enfiada, escalamos a francesa. A partir da 8 enfiada, achamos que a graduação está abaixo do real. Passamos perrengue nos lances de 4 grau, que em nossa opinião, são no mínimo um 5+. Paramos na 11 enfiada devido ao tempo e a dificuldade de achar os grampos, que estão bem longe uns dos outros. O rapel é terrível. Chegamos à base às 22:30, mesmo tendo deixado as paradas bem sinalizadas. A via é realmente maravilhosa, mas não é pra qualquer um. Já havíamos escalado a leste, em salinas (3 picos) que no croqui tem uma graduação aproximada, mas em nossa opinião é bem mais fácil, e protegida. De qualquer forma, valeu demais. Parabéns aos conquistadores! MM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal Márcio, parabens pela investida! Comparando com a Leste acho que a via tem realmente mais lances difíceis, mas acho que esses lances são bem protegidos. O rapel é uma aventura mesmo. Espero que consiga voltar e fazer a via toda.

      Excluir
  4. moro na base da pedra meu sonho sempre foi escalar esta pedra e esse final de semana tentarei minha primeira investida!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário.