terça-feira, 6 de novembro de 2012

No Caminho do Imperador


No início do século XIX já existiam alguns caminhos ligando o Córrego Seco (atual Petrópolis) à Pati do Alferes. Mas com a fundação de Petrópolis em 1843 e a chegada dos colonos alemães em 1845 as autoridades fluminenses decidiram pela abertura de uma estrada carroçavel. O projeto, coordenado pelo engenheiro Oto Reimarus, foi concluido em 1858.

Logo que foi aberto o caminho foi percorrido por Charles Ribeyrolles, que o descreve em seu livro Brasil Pitoresco (1859) como "panoramas que são explendidas pinturas".

As frequentes cavalgadas de D. Pedro II deram origem a o nome dessa estrada: Caminho do Imperador.


Numa tarde meio nublada arrisquei uma ida ao Caminho do Imperador para tentar fotografar uma cachoeira. A mata estava molhada e a luz estava ótima.

Mas à medida em que eu entrava na floresta mais densa o tempo começou a escurecer e a estrada foi sendo tomada pela névoa. Parei para registrar esse bonito momento. Logo em seguida começou a chover forte, adiando meus planos de fotografar a cachoeira. Mas ficou o registro desse fim de tarde com névoa na floresta.

 

5 comentários:

  1. Nildo Silva Ferreira6 de novembro de 2012 18:12

    Muito bom pedalar no Caminho do Imperador, agora sim sei o porque do nome caminho do Imperador, não sabia que era porque ele cavalgava por lá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal Nildo, vou ver ser marco um pedal por lá.

      Excluir
  2. Alguem tem a altimetria do Caminho do Imperador?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tenho não. Tem algumas subida se descidas, mas nada muito forte.

      Excluir

Deixe aqui seu comentário.